OPINIÃO || CÉUS E TERRA - FRANKLIN CARVALHO || @editorarecord

8 de mar de 2017

Céus e Terra - Franklin Carvalho

Páginas: 208
Ano: 2016
Editora: Record
Encontre Aqui: Skoob, Amazon, Saraiva, Submarino.


"Tombei o resto para o outro lado, morte de índio é muito fácil."





Olá, pessoas. Esse livro me despertou o interesse porque me lembrou Memórias Póstumas de Brás Cubas: um morto contando uma história. Acho fascinante a ideia de alguém que não tem mais amarras nos contar sobre coisas da vida. Mas é claro que a semelhança com o livro do meu amado Machado de Assis acaba por aí.

A história começa com o assassinato do nosso narrador, Galego, um menino de 12 anos de idade que trabalha para um fazendeiro e sua família. Ele morre decapitado em abril de 1974, e o resto da história se passa durante esse ano. A importância que Galego dá para esse período é tão grande que até fui pesquisar o que aconteceu de importante no Brasil nessa época (Ernesto Geisel se tornou presidente da República Federativa do Brasil e o incêndio do Edifício Joelma foram as coisas mais famosas que achei, mas não consegui relacionar isso com a história do livro).


"As pessoas precisam da misericórdia alheia, por isso é que se ajoelham na frente dos outros e se perdoam." (p. 32).

Gostaria de chamar a atenção para a primeira página - antes da história realmente começar - em que Galego nos faz uma promessa. O livro me ganhou ali. São 10 linhas de uma delicadeza que já dita o tom que Franklin Carvalho vai imprimir em sua narrativa. Aliás, estranhei um pouquinho o estilo de escrita pelo qual o escritor optou. Achei muito refinada para um garoto de 12 anos do interior no ano de 1974, mas logo já estava imersa na história e nem lembrei mais disso.



Galego é o personagem principal, e o nosso narrador, mas acabamos acompanhando mais de perto a vida dos outros moradores da região. O menino morre e precisa achar algum lugar para ficar. Assim ele segue as pessoas até suas casas, passa um tempo morando com várias pessoas e nos narra seu dia-a-dia, e como isso acaba afetando ele de vez em quando. Vemos Galego evoluindo através da vida das outras pessoas.


"Tudo se desencontra, se desfaz e se desmancha. As coisas se unem, se explicam mutuamente, logo, nem uma nem outra existem" (p. 69).

É uma história muito bem construída e tocante. Achei tudo muito bonito, mesmo com umas cenas um pouco cruéis (necessárias para a história, aliás, não tem nada sobrando ou desnecessário, o que é maravilhoso). Não é um livro com muita ação, até porquê, esse não é o objetivo da narrativa. A leitura é rápida, fluida e muito bonita (sim, foi a melhor palavra que eu achei para descrever esse livro, me desculpem). Espero que tenha conseguido instigar a curiosidade de vocês, e que se forem dar uma chance ao livro, gostem tanto quanto eu.


Livro recebido em parceria com a editora.



Abraços e até a próxima.

29 comentários:

  1. Oi Andréa.
    Está desculpada kkkkkkk.
    Eu confesso que curtir muito a capa, e adorei a premissa do livro, mas achei um tanto que estranho medrosa do jeito que sou, não posso sequer imaginar uma alma morando na minha casa kkkkk.
    E olha que sou muito crédula em tudo, mas enfim gostei, não conheço Memórias Póstumas de Brás Cubas, mas também fiquei curiosa para conferir.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Oi Andréa, é uma história bem diferente e fiquei um pouquinho curiosa sim pra saber mas sobre essa vida após a morte de Galega, que só tem 12 anos (tadinho). Fiquei imaginando se há um suspense por trás de quem matou o menino, ou se é logo revelado e o porque de Galego estar por ai de casa em casa e não descansar realmente. Gostei da resenha e da dica :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem suspense sobre quem o matou, a gente descobre nas primeiras páginas. Eu tenho uma teoria sobre o motivo dele ter virado um "fantasminha camarada", mas se eu contasse ia perder a graça. Se vier a ler, pode comentar suas teorias.
      Abraços.

      Excluir
  3. Olá, Andréa! Realmente, uma história sendo contada do ponto de vista de alguém q já se foi tende a despertar uma certa curiosidade no leitor. Não conhecia o livro e posso afirmar q fiquei bastante interessada em conhecer a história. Que bom q o estilo de escrita do autor não impediu o seu envolvimento com a leitura.

    ResponderExcluir
  4. Achei interessante o morto narrar a história. Dá um certo tom de melancolia e saudade, acho...deve ser legal. Ainda mais por saber que fim o narrador teve. Fica aquela curiosidade pra saber mais de como foi a vida dele.
    Parece um livro que desperta sentimentos, tem um lado mais reflexivo, pode ser cruel em algumas passagens...achei isso bacana nele.
    Deve ser uma boa leitura mesmo. Gosto de coisas nesse estilo.

    ResponderExcluir
  5. Olá, Andréa!!
    Gostei muito do livro, parece ser bem intrigante. Você fica querendo sempre o que acontece depois que para ler, bem legal.
    Amei a resenha!
    Feliz dia das mulheres!!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  6. A premissa do livro é interessante demais.
    E apesar de não costumar ler livros do gênero, esse me deixou bem curiosa.
    A narrativa parece ser bem bacana.
    Com uma leitura leve e rápida e com uma história muito bem desenvolvida, é claro que fiquei interessada.
    Beijos,
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
  7. Oi, Andréia!
    Achei bem diferente a trama de Céu e Terra, onde o personagem principal depois de morto precisa achar algum lugar para ficar, seguindo as pessoas até suas casas, narrando assim o seu dia-a-dia... mas confesso que não faz meu estilo de leitura, por isso dificilmente eu leria Céu e Terra...
    Abraços, e feliz dia das mulheres!

    ResponderExcluir
  8. Oi, Andréa!
    Interessante essa singularidade do morto narrando uma história - ou várias, no caso desse livro em específico, diferente da do Machado. Não li Memórias Póstumas de Brás Cubas para conseguir assimilar uma narrativa e outra, mas já que você citou sobre os pontos iguais entre ambos acabar por aí mesmo, então não deve fazer muita diferença, até porque nem é mesmo a história do Galego mesmo, e sim das pessoas que ele observa de longe em seu dia-a-dia. Instigante saber tudo que ele absorve dessas vivências - por assim dizer, rs - com essas pessoas, mas fico particularmente receosa com o ponto cruel da trama que você citou; ainda que necessário, dependendo do estilo da cena em si, posso não ter muito estômago para isso, não sei, mas, enfim, valeu a dica mesmo assim!
    Beijos!

    ♥ Sâmmy ♥
    ♥ SammySacional.blogspot.com.br ♥

    ResponderExcluir
  9. Andrea!
    Até entendi o enredo, a morte do menino, etc, o que não entendi é: por que ele tem que buscar um lugar para ficar? Por que viver a sombra dos vivos? Acredito que tenha alguma explicação n livro, né?
    FELIZ DIA INTERNACIONAL DA MULHER!
    “Ninguém nasce mulher: torna-se mulher.” (Simone de Beauvoir)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de MARÇO, livros + KIT DE PAPELARIA e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dá para fazer várias teorias sobre o motivo, e essa foi a parte mais legal para mim.
      Abraços.

      Excluir
  10. O livro parece sensacional, eu to pasmada com o tema que o livro aborda, eu aaamooo esse estilo, esse mistério, e essa agonia que envolve a trama. Achei a resenha sensacional de unho emocional mesmo. Obrigada a dica =*
    Sexo, Fraldas e Rock'n Roll

    ResponderExcluir
  11. Achei interessante e diferente, fiquei curiosa querendo saber sobre essa promessa e intrigada porque ele precisa de um lugar para ficar e pode escolher esse lugar, parece ser uma historia comovente e ter um certo mistério.

    ResponderExcluir
  12. Oi Andréa!
    Acho que bonita realmente define bem o livro né? Eu só não sei se ficaria confortável em saber que o personagem principal está morto. O que me interessou foi a parte em que ele fica um pouco em cada casa, o modo como ele conta sobre a vida dos que estão vivos deve ser bem legal!
    Bj

    ResponderExcluir
  13. Bem diferente a história!
    Gostei dela!
    Coitado do menino que morreu!
    A capa é linda. Acho que lerei!

    ResponderExcluir
  14. Oi Andrea :)
    Não conhecia o livro e a primeira coisa que me chamou a atenção foi a capa(que achei muito bonita).
    Tô com o meu Memórias Póstumas de Brás Cubas há eras e até agora não criei coragem de ler hahaha quem sabe esse ano sai.
    Confesso que fiquei curiosa pra saber se existe um motivo pra ele seguir as pessoas ou não e como ela termina.

    Bjs

    ResponderExcluir
  15. História curiosa. Tenho pra mim que histórias contadas pelos olhos de uma criança seja uma coisa mais suavizada, mesmo contendo certa crueldade, afinal criança tem uma inocência, mas, pelo visto, essa história não foi suave em nada.
    Mesmo não tendo mais amarras, como vc citou lá no início, ele tbm não sabe a que lugar pertence depois de morto e isso achei bem triste.

    ResponderExcluir
  16. Quando comecei ler a resenha pensei "ela vai dizer que é difícil leitura", mas me surpreendi em sabe que leitura é boa e bem fluida. Particularmente fiquei curiosa, porque não é tipo de leitura que costumo ler. Gostei em saber que personagem que conta a historia, e que ele tá morto e apenas busca um lugar para chamar de seu. Fiquei imaginando de alguma forma ele faz parte das família das pessoas que ele segue, já que ele sabe tudo sobre ela e tudo acontecer aquele lar. Estou curiosa em sabe o final do livro e onde isso vai parar

    ResponderExcluir
  17. Achei o livro muito interessante, gosto da temática de uma criança contar uma história. Fiquei curiosa também pq tem uma lado histórico no livro como vc falou que pesquisou. Pretendo ler. Será q é daqueles q vc acaba chorando? Sim sou bem chorona kkkk

    ResponderExcluir
  18. Olá, livros contados por pessoas já falecidas sempre são interessantes, na trama deste aqui vejo que o autor tem uma escrita leve e tocante. Beijos.

    ResponderExcluir
  19. Oi Andréa!
    Não conhecia o livro, mas sempre achei interessante ser narrado por um garoto que está do outro lado. Fiquei curiosa para saber o porque de Galego não descansar e ter que buscar abrigo junto aos vivos. Gostei de saber que a narrativa é fluída, geralmente esse é maior receio em relação a autores que não conheço.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  20. Oi Andréa, conseguiu sim. Mesmo se você não tivesse comparado com o livro do Machado eu teria lembrado dele. Enfim, o protagonista é bem jovem né, acho que toda essa situação deve ter causado um pouco de confusão na cabeça dele.
    Beijos
    [SORTEIO]Baile Literário
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
  21. Oi Andréa!
    Gostei mto do enredo e da resenha, faz tempo q não leio histórias parecidas como está, vou deixar anotado pra uma oportunidade de conhecer a obra.
    Bjs

    ResponderExcluir
  22. Devo dizer que temos um enredo legal mas vou te dizer amiga que a ideia de um menino de 12 anos que morreu ficar observando a vida dos outros depois na vida real não iria funcionar, até porque se alguém fizesse menção a algo assim acontecendo comigo eu posso dizer que na hora eu iria dar um piti, sim mana, sou medrosa. Vou procurar saber mais sobre esse livro e obrigada pela resenha.

    ResponderExcluir
  23. Oi, Andréia!
    Adorei a premissa do livro. Parece ser bem instigante a história ser contada por um pessoa morta. Fiquei com muita pena do menino que morreu tão jovem.
    Beijoss

    ResponderExcluir
  24. Oi! Não conhecia a obra e até hoje não li nada do Machado de Assis (shame on me)
    A premissa é bem interessante, diferente do que já li, mas acho que ficaria incomodada com o fato da linguagem não estar de acordo com a de um menino de 12 anos no ano de 1974. Esse é o tipo de coisa que me incomoda e eu dificilmente deixo passar.
    Mas enfim, uma ótima dica de leitura, que bom que foi tão boa pra você!

    ResponderExcluir
  25. Oi!
    Achei esse livro bem diferente do que estou acostumada a ler, por isso acho que em um primeiro momento ele não me chamou muita atenção, mas gostei dessa ideia do narrador e como o personagens acaba crescendo ao longo da historia observando as pessoas, também parece ser um livro emocionante, me deixando curiosa para poder saber mais sobre essa historia !!

    ResponderExcluir
  26. Achei o livro muito interessante, gosto da temática de uma criança contar uma história. Fiquei curiosa também pq tem uma lado histórico no livro como vc falou que pesquisou. Pretendo ler. Será q é daqueles q vc acaba chorando? Sim sou bem chorona kkkk

    ResponderExcluir
  27. Oi Andréa...
    Ainda não tinha ouvido falar desse livro... Adoro "Memórias Póstumas de Brás Cubas" e só de saber que este livro te remeteu a esta obra maravilhosa de Machado de Assis, com certeza fiquei muito curiosa para lê-lo... E adorei a capa...
    Beijinhos...

    ResponderExcluir

Espero que tenha curtido a postagem! Volte mais vezes :D