OPINIÃO || A FESTA DE ANIVERSÁRIO E O MONTA-CARGAS - HAROLD PINTER || @editorarecord

6 de jan de 2017

A Festa de Aniversário e o Monta-Cargas - Harold Pinter

Original: The Birthday Party; The Dumb Waiter
Páginas: 176
Ano: 2016
Editora: José Olympio
Encontre Aqui: Skoob, Amazon, Saraiva, Submarino.

"Pra lugar nenhum. Não tem lugar nenhum pra ir. A gente só ia e pronto."




Olá, pessoas. Vim falar para vocês de um livro teatral. O gênero dramático não é lá muito popular, quase ninguém nunca lê e eu acho que é uma boa oportunidade de apresentar coisas diferentes para vocês (Andréa, a defensora dos livros fora da caixinha). Nesse livro temos duas peças: a primeira, em três atos, se chama A Festa de Aniversário; e a segunda, com apenas um ato, é O monta-cargas.

"Cada um de nós neste mundo persegue o seu destino e afoga no travesseiro sua solidão. Não é verdade?" (p. 86).

É um pouco complicado explicar o trabalho de Harold Pinter. Suas obras dramáticas são comumente classificadas como "comédias de ameaça" ou dentro do "teatro do absurdo", e só pelo nome já dá para perceber que as coisas nunca acontecem da forma que a gente espera. As ambientações das duas peças registradas nesse livro são muito enraizadas na realidade, principalmente no contexto do final da década de 1950, que é quando são escritas (mais precisamente, ambas são de 1957). Mas depois de um tempo, começa uma sensação de estranhamento que só vai crescendo, culminando em um final ambíguo.




As personagens são muito típicas dessa década também, retratando bem como era sociedade da época e seus estereótipos. Na peça A Festa de Aniversário temos Petey (o marido caladão), Meg (a esposa maternal), Stanley (um inquilino meio mal-humorado que era pianista), Lulu (uma vizinha que quase não aparece e é meio que o interesse amoroso de Stanley e Goldberg), Goldberg (um judeu cheio de lábia) e McCann (um irlandês meio raivoso). No começo parece uma história comum e depois que chegam as figuras de Goldberg e McCann, a normalidade é quebrada. Em O monta-cargas temos Ben e Gus, dois pistoleiros conversando num quarto de porão enquanto esperam para poder realizar o trabalho. Apesar de serem parceiros da mesma organização criminosa, a interação deles é superficial e esquisita. E isso não é uma crítica minha, é assim que é para eles serem.

"Quem é que limpa depois que a gente sai? Tenho curiosidade. Quem é que limpa? Talvez ninguém limpe. Talvez deixem do mesmo jeito, ahn? O que você acha? Quantos serviços nós já fizemos? Porra, perdi as contas. E se nunca limpam nada depois que a gente sai?" (p. 155).

Particularmente, eu não acho que os enredos foram escritos para serem compreendidos. Fiquei com uma impressão de que o objetivo de Pinter era causar o estranhamento e dali em diante que os espectadores (e leitores, no nosso caso) ficassem pensando sobre isso e depois tirassem suas próprias conclusões. Não é um livro fácil, nem agradável, mas é muito bom e eu recomendo bastante. O livro é curto, são 176 páginas divididas em Prefácio e nas duas peças. A estrutura é basicamente de diálogos entre as personagens, com uma breve ambientação antes e algumas marcas de direcionamento para os atores, logo, é muito rápido de ler (eu terminei em 2 horas o livro inteiro). Espero que deem uma chance e que gostem.


Abraços e até a próxima.

24 comentários:

  1. Olá!
    Nunca tinha ouvido fla desse livro...Se fosse pela capa eu não leria...mas gostei do enredo, vou deixar anotado...
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Andrea, se o objetivo do Harold era deixar uma estranheza ele está de parabéns, porque sinceramente apenas pela sua resenha eu fiquei bem confusa. Não seria um livro que eu gostaria de ler, mas é bom dar chance à livros novos, diferentes e curiosos.

    ResponderExcluir
  3. Estranhamente gosto de uns livros que me fazem pensar, que as histórias não tenham começo meio e fim certinho, que fique aquela dúvida e coisas do tipo. Acho bacana porque consegue passar uma coisa diferente pra cada leitor e se a gente for procurar depois o que outros acharam é bem interessante o resultado. Acho que esse seria um livro assim. Não conhecia e me deixou curiosa agora. Mas que parece confuso isso parece!

    ResponderExcluir
  4. Achei diferente ainda não li nenhum livro assim, acho que da para tentar a experiencia de ler para saber se gostarei. Mas acho que não seria uma leitura fácil terei que reler alguns trechos para compreender melhor e por não estar acostumada com leituras assim.

    ResponderExcluir
  5. Oi, Andrea!!
    Não conhecia esse livro e também não li ainda nenhum livro teatral. Achei até interessante a história do livro por ser dividido em duas peças... Gostei muito da dica!!
    Beijoss

    ResponderExcluir
  6. Andrea!
    Acho bom que traga resenhas de livros que nos tiram da nossa zona de conforto e para que possamos ter uma diversidade maior na escolha da leitura.
    Acredito que por ser mais teatral e dramático. o livro venha mais com diálogos e menos aprofundamento.
    Gosto dos livros que deixam seus finais abertos para conjecturarmos sobre o que poderá ou não acontecer...
    “Volta teu rosto sempre na direção do sol, e então, as sombras ficarão para trás.” (Sabedoria oriental)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de JANEIRO dos nacionais, livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  7. Oi Andrea, apesar do livro ser curto e de você ter conseguido lê-lo em duas horas (bem rápido), acho que essa leitura não iria prender minha atenção, contudo parece ser uma boa dica e tenho certeza que aqueles que resolverem arriscar podem ser apresentados a um gênero não tão conhecido (eu nunca li nada assim), mas interessante ;)

    ResponderExcluir
  8. E sempre bom trazer novidades literárias, ainda mais quando e totalmente diferente do que estamos acostumados e ler e ver por aí. E a primeira vez que é apresentado a mim um livro desse gênero, e por isso e claro que fiquei curiosa para saber mais sobre a trama. Bom, saber que se trata de dois tetros, e retrata personagens bem típicos da época, com bastante esteriótipo.

    ResponderExcluir
  9. Olá, nunca li um livro assim, apesar de ser diferente e um pouco confuso a história parece ser bacana e como são poucas páginas é perfeito pra quem nunca leu algo desse gênero. Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Oi Andrea!
    Concordo com você quase ninguém lê, acho bacana a iniciativa. Mais quando você diz que não é um livro fácil ou agradável, eu fiquei curiosa sobre que perspectiva o livro se apresenta.
    Bjs

    ResponderExcluir
  11. Confesso que não sou muito chegada em roteiros, acho tudo rápido demais. Já li alguns com histórias interessantes, mas nunca fiquei 100% satisfeita. Mas é sempre bom sair da zona de conforto e dar chance para novas obras. Gostei do fato de ser considerado teatro dos absurdos.

    Um abraço!
    Parágrafos & Travessões

    ResponderExcluir
  12. Ola, tudo bom?
    Gostei da resenha, ainda não tinha ouvido falar do livro, mas achei interessante a proposta do autor, gostaria de ler, para ver como é esse tipo de estranheza que ele nos provoca.
    Beijos *-*

    ResponderExcluir
  13. Oi Andrea,nunca li nada do gênero,nem resenha ainda tinha visto p/ se ter uma ideia,mas confesso que não tenho interesse em ler,pois não gosto de tramas confusas,gosto de uma história seguindo uma linearidade e odeio,simplesmente odeio livros que deixam as coisas meio em abertas p/ o leitor tirar suas próprias conclusões :/ Peguei trauma disse depois que li uma trilogia estrangeira em que eram muitas pontas,muitos segredos e tals e eu seca pelo último livro onde a autora daria o desfechos de todas as pontas e segredos p/ o que?! Deixar o final totalmente vago,p/ na nossa concepção decidirmos se aquilo era real ou não....Nossa,fiquei muita revoltada,p/ não falar outra coisa kkkk,mas enfim,peguei trauma! Mas boa ideia de trazer resenha de um livro bem mais atípico,pq o que não falta são gostos diferentes ;)

    Bjss

    ResponderExcluir
  14. Eu tenho que confessar que também não sou muito leitora de obras dramática desse tipo.
    Não foi uma história que me chamou atenção e para conhecer mais dos autores, pareceu um pouco confusa, então eu não leria nesse momento, mas quem sabe em outro.

    ResponderExcluir
  15. Ler peças é algo que gosto rsrs os de shakespeare li todas assim, igual o alto da compadecida e amei!!
    não gostei tanto desse pq não curto livros que se passam a muitos anos atrás

    ResponderExcluir
  16. Realmente em ser classificado como "comédias de ameaça" ou "teatro do absurdo" já esperamos que vamos nos surpreender. Histórias que se passam em décadas anteriores eu gosto muito, e acho muito importante e inteligente quando o autor escreve uma boa realidade com a época em que se passa.

    ResponderExcluir
  17. Oi!
    Esse não é o tipo de livro que leio, mas achei bem interessante essa obra, quero ver se esse ano pego livros diferentes para ler e fiquei interessada em me arriscar nesse gênero, quem sabe futuramente não acabo lendo !!

    ResponderExcluir
  18. Eu não conhecia este livro, mas lendo um pouco mais sobre do que se trata a história em sua resenha, acabei ficando bem curiosa e sem dúvidas pretendo ler, para poder conferir esta história, espero gostar da leitura deste livro.

    ResponderExcluir
  19. Ish, infelizmente esse é aquele tipo de livro do qual eu saio correndo kkkkk assim como a maioria das gurias aqui, eu nunca tinha ouvido falar dele, mas mesmo assim pretendo deixar para outros leitores mais ávidos hehehe beijoo

    ResponderExcluir
  20. Eu nunca tinha ouvido falar do livro, mas não tive muito interesse nele. Esse não é o tipo de livro que eu costumo gostar, e a história parece até ser interessante. Mas só de saber que ele não é muito agradável e nem fácil, já me fez desistir do livro hahaha

    Beijos!

    ResponderExcluir
  21. eu nunca tinha escutado falar do livro
    já vi algumas coisas do chamado "teatro do absurdo" e nem posso dizer q gosto nem q não (cada caso é um caso)
    mas ... eu tenho alguns problemas ao ler peças, me enrolo toda ...
    talvez eu leia, quando eu estiver com vontade de algo "fora da caixinha"

    ResponderExcluir
  22. O primeiro quote chamou minha atenção,achei diferente,e eu adoro coisas diferentes,rs.
    É bom um gênero fora do habitual,lembro do primeiro que li em forma de peça de teatro.

    ResponderExcluir
  23. Oi, Andréa...
    Ainda não havia ouvido falar desse livro, mas adorei a dica de leitura... Mesmo não sendo muito meu estilo de leitura, vale a pena sair da caixinha de vez em quando e descobrir algo diferente... Espero poder ler em breve e tão rápido quando você...
    Beijinhos...

    ResponderExcluir
  24. Humm eu estaria mentindo se dissesse que esse seria um livro que eu leria, porque na verdade eu não passaria nem perto dele kk Olha eu não acho que a história seja ruim sabe, mas eu não tenho atração por esse tipo de leitura então tenho certeza que esse fato que eu não me agradar com o estilo faria a leitura ser muito tediosa. Mas que bom que você conseguiu tirar um bom proveito da leitura.

    ResponderExcluir

Espero que tenha curtido a postagem! Volte mais vezes :D