OPINIÃO || O PAPEL DE PAREDE AMARELO DE CHARLOTTE PERKINS GILMAN

29 de mar de 2016




O Papel de Parede Amarelo - Charlotte Perkins Gilman

Original: The Yellow Wallpapper
Páginas: 112
Ano: 2016
Editora: José Olympio
Encontre aqui: Skoob | Buscapé 

*Livro cedido em parceria com a editora






Olá, pessoas. Vim aqui hoje para falar desse livro que Gabriela, essa linda, sabendo do meu amor pela causa feminista me deu para ler e resenhar para vocês. E sim, eu sei que feminismo é um tema polêmico então vou dar a definição de feminismo aqui para vocês antes: feminismo nada mais é do que a luta pelos direitos iguais entre os gêneros. Existem diversas pautas dentro do movimento, várias visões, nada é homogêneo. Então se quiser saber um pouco mais é só pesquisar, porque existem vários feminismos. Mas o que nos une é isso, a necessidade de um tratamento igualitário entre homens e mulheres. Entendido isso, prosseguiremos.


"John ri de mim, é claro, mas isso é de se esperar no casamento." (p. 12)

O papel de parede amarelo é um conto que foi escrito por uma mulher chamada Charlotte Perkins Gilman e publicado em 1892. A autora foi atuante do movimento feminista já nessa época, então essa visão permeia toda sua obra (como o livro mesmo nos diz). Mas, claro, não se reduz única e exclusivamente à isso. Nesse conto temos a história de uma personagem sem nome que acabou de dar a luz e sofre de alguma doença psíquica, e que é casada com John que também é o médico que cuida dela. Eles se mudam por alguns meses para uma casa afastada com o intuito de restabelecer a saúde da mulher. Ela fica alojada nesse quarto que fora de crianças, com um papel de parede amarelo e a história se desenvolve a partir daí. É a própria protagonista que nos conta a história através de um diário que ela está proibida de escrever.


Desculpem a qualidade da imagem :/


Em primeira instância temos uma crítica bem pesada à forma de tratamento de doenças psíquicas na época. O marido da protagonista receita repouso e pouco contato com pessoas à esposa que tem sintomas de depressão. Fora que a autora cita o nome de um médico conhecido na época, colocando-o como um dos piores tratamentos possíveis. Temos também um quê de autobiografia, já que Charlotte Perkins Gilman passou por um processo parecido ao da protagonista sem nome.


"Há coisas nesse papel que só eu sei, e que ninguém mais virá a saber." (p. 38)

Como crítica ao machismo, temos o exemplo latente do marido, que trata a personagem como uma criança, uma criatura tola e cuja a opinião não deve ser levada em consideração. Não posso dar mais exemplos já que acabaria entrando no terreno dos spoilers, mas a situação vai ficando cada vez mais crítica. O final é bem chocante, com um quê de terror psicológico, então preparem-se. A leitura é muito rápida, o livro é bem curtinho e não encontrei nenhuma dificuldade com o linguajar (por ser um livro antigo esperava alguns maneirismos, mas a linguagem é bem simples). A edição está bem feita, com folhas amareladas, letra grande e vem com textos de apoio contando a história da autora para que possamos identificar o contexto biográfico que aparece na história.



Espero que deem uma chance a esse livro, é extremamente interessante e inteligente, com uma crítica que continua pertinente até os dias de hoje.


Abraços e até a próxima.



15 comentários:

  1. Olá Andréa, tudo bem?
    Eu li esse livro recentemente e gostei bastante da proposta. A autora teve percepções incríveis na epoca em que escreveu a obra, além de toda ousadia e determinação. Recomendo esse livro para todos que aproveitam o gênero.
    beijos, Fer

    ResponderExcluir
  2. Tenho lido ótimos comentários referentes a esta obra. E estou com bastante vontade de ler.
    Assim que tiver a oportunidade o farei.
    E como você disse, o livro traz uma crítica que persiste até os dias atuais, então é muito recomendado.

    Beijinhos...
    http://estantedalullys.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Já ouvi falar muito bem sobre esse livro e estou interessada na leitura, gosto desse tema: feminismo. Espero ler este livro. - Joanna Amaro.

    ResponderExcluir
  4. Um livro profundo e que propõe uma grande reflexão, li e curti bastante! :D Ah, além de tudo, uma obra antiga e que, até hoje, é atual, né?
    Beijao

    ResponderExcluir
  5. Oi, Andréa!

    Eu recebi esses livros da editora. Como não sabia sobre eles, fui tirar informações na net.
    Não sou fã de feminismo e nem curto literatura a esse respeito. E ainda acho esse livro com um clima meio pesado pra mim.
    Deixei passar.

    Beijos!

    www.oblogdasan.com

    ResponderExcluir
  6. Olá Andréa! Também recebi esse livro em parceria com a editoram as ainda não o li por estar esperando o momento certo. Achei muito interessante a abordagem da escritora e irei tentar pesquisar um pouquinho mais sobre a obra.

    umreinomuitodistante.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Eu to muito ansiosa pra ler esse livro! E eu amo o título dele. Recebi O Papel de parede amarelo de presente da Editora Record e to me coçando pra pegar ele e devorá-lo, mas ainda tenho algumas leituras na frente.

    Um Metro e Meio de Livros

    ResponderExcluir
  8. eu estou com esse livro aqui, recebi em parceria com a editora e será minha próxima resenha, estou curtindo, adoro críticas ao machismo e adorando a popularização do feminismo por meio de livros.

    ResponderExcluir
  9. Oi!!
    Eu vi a capa desse livro em alguma postagem no facebook e lembro que chamou a minha atenção, fiquei tentando imaginar sobre o que era a história.
    Nossa eu estou impressionada com a história narrada, realmente as mulheres eram tratadas com desprezo naquela época, mas imagina ela ter que ficar só no quarto sem poder fazer nada, nossa isso é horrível.
    Esse livro deve gerar uma certa revolta no leitor né, só de ler a resenha já estou indignada com a maneira que John a trata.
    OMG eu quero ler esse conto, vou procurar fiquei muito curiosa para ler na íntegra.
    Beijão!

    ResponderExcluir
  10. Adorei a temática! Não conhecia o livro, mas agora to louca pra ler, pelas criticas mesmo. Adorei a resenha.

    ResponderExcluir
  11. Oiii!
    Nunca tinha ouvido falar sobre esse livro, confesso que me interessei e acho que vou procurar, é tão curtinho! Dá pra ler rapidinho no caminho da faculdade durante a semana, rs. :) Beijos! Flores no Outono

    ResponderExcluir
  12. Ei Andrea,
    Ainda não tinha ouvido falar desse livro, essa história já me interessou interessada tudo que aborda feminismo desperta me vontade de ler.

    Coração Leitor

    ResponderExcluir
  13. me falaram que se trata de uma excelente leitura, e eu gostaria muito de ler qualquer hora dessas... a edição tá bem bonita ^^
    acho super importante livros nessa temática sendo mais publicados, como vejo ultimamente...

    ResponderExcluir
  14. Olá!
    Essa é a segunda resenha que leio sobre esse livro, o tema é de fato bem forte e marcante. O feminismo já existia décadas passadas e parece que vem se fortalecendo novamente. Gostei da resenha.
    Ni
    Cia do Leitor

    ResponderExcluir
  15. Eu estou doida para ler esse livro. Não conhecia até esses dias, e só tenho visto falarem bem! Pelo que entendo, tem uma critica pesada ao machismo e a sociedade, e tudo que trata de doenças psicológicas me interessa! Eu realmente preciso dele!

    Bjus
    Blog Fundo Falso

    ResponderExcluir

Espero que tenha curtido a postagem! Volte mais vezes :D