EU VI | 6 Years

17 de mar de 2016




Ficha Técnica

Original: 6 Years
Dirigido por: Hannah Fidell
Ano: 2015
Duração: 85 minutos
Classificação: 14 anos

Trailer: YouTube








Olá, pessoas. Vim trazer um filme super indiezinho que vi já tem um tempo, mas até acho que seria difícil falar sobre ele se não pudesse pensar sobre. Um dia, meio sem nada para fazer, decidi que queria ver um filme “casalzinho” (sim, classifico qualquer filme que tenha um casal como foco principal assim). Fui no Netflix (só para variar), passei um bom tempo procurando e acabei escolhendo esse porque achei a fotografia bonita nas cenas que passam enquanto a gente olha a sinopse do filme (eu sei, péssimo motivo, mas é assim que a vida acontece). Depois que assisti não tive certeza se tinha gostado. Precisei de todo esse tempo para pensar no filme e queria compartilhar isso com vocês.

A película conta a história de Mel (Taissa Farmiga) e Dan (Ben Rosenfield), um casal jovem que se conhece desde a infância e que está oficialmente junto há 6 anos. No começo, a preocupação é mostrar o quanto o casal é bem entrosado, mostrando uma cena de sexo e várias cenas de pequenas coisas do dia-a-dia deles. São cenas em que ambos estão bem sorridentes ou com aquele olhar apaixonado um para o outro. Mas logo a gente vai vendo alguns sinais de desgaste na relação. As brigas vão acontecendo, ficando constantes e até violentas. Enquanto tudo isso acontece, amigos, família, conhecidos e colegas de trabalho questionam esses dois jovens se essa relação realmente vale a pena, afinal, eles nunca se relacionaram com mais ninguém.



Geralmente, filmes “casalzinho” mostram duas pessoas apaixonadas que superam algum obstáculo e acabam juntos e felizes para sempre. Esse é muito mais real, e mostra o desgaste que acontece com o passar dos anos (qualquer um que tem ou já teve um relacionamento amoroso que dura/durou muitos anos sabe do que estou falando). Fora que, mostra também uma relação abusiva, onde vemos duas pessoas que, claramente, estão com medo e não sabem como reagir diante de certas coisas, levando a abusos verbais e até físicos de ambos os lados (mesmo que o filme tente passar esses abusos como “sem querer”). Acho que esse foi o ponto em que achei o filme problemático, não gostei desse descontrole emocional dos personagens, parecia um casal de crianças brigando o tempo todo, apesar de saber que muita gente se comporta dessa forma com seus pares (o que acaba ficando pior, na verdade, me assusta muito esse tipo de pessoa).



Queria poder falar da mensagem que senti do filme, mas isso ia acabar sendo um spoiler e realmente acho que mais pessoas deveriam assisti-lo. O ritmo é meio lento, o que é uma coisa bem comum em filmes independentes, mas não dá para ficar cansado, já que é menos de uma hora e meia de duração. Os atores são muito bons (a Taissa Farmiga eu já conhecia de AHS, então já esperava que ela fosse boa, e o Ben Rosenfield me surpreendeu positivamente) e conseguiram me deixar bem envolvida na relação deles, me fazendo lembrar de vários casais que conheço e, inclusive, de algumas situações que eu mesma já vivi. E sobre o final queria apenas dizer para prestar bastante atenção, porque achei o ponto alto do filme.


Espero que curtam bastante essa história, de verdade. Acho altamente recomendável para qualquer ser humano que já se relacionou romanticamente com outro ser humano, faz com que você abra seus olhos com relação à muita coisa.

Abraços e até a próxima.


9 comentários:

  1. Ola!
    Nunca havia visto nada desse filme. Será que só tem na Netflix?
    Vou dar uma procurada.

    Mil beijos
    www.modaeeu.com.br

    ResponderExcluir
  2. Gente do céu, eu não conhecia esse filme, e fiquei simplesmente ansioso para assistir que já estou baixando.
    E bem legal esse lado de mostrar um relacionamento com todos seus defeitos, e não apenas o "feliz para sempre", a ideia de quebrar um pouco desse clichê me deixa com mais vontade ainda de assistir ao filme.
    http://blogpausageek.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oiiii!!Tudo bem?
    Ainda não tinha ouvido falar desse filme.
    Gosto de filmes que tentando mostrar todas as facetas humanas e não só aquele lado água com açúcar que te deixa com vontade de parar o filme no meio. Não sei se assistiria pelo fato das brigas estilo criancice. Não suporto esse tipo de discussão, mas apesar disso fiquei curiosa.
    Um grande abraço e até a próxima.
    >>Dhessy

    ResponderExcluir
  4. Oie, Andréa! Apesar de ter achando interessante o filme mostrar um relacionamento mais real, eu fiquei preocupara também com o relacionamento deles, pois tenho certo medo desses casais que tratam um ao outro de forma abusiva.
    Ainda não sei se vou assistir, pois tenho uma lista enorme de filmes para ver, mas não vou descartar a possibilidade por causa da sua menção a mensagem do filme.
    Bjuss
    Anna - Letras & Versos

    ResponderExcluir
  5. Oi Andrea.

    Para ser sincera eu não conhecia este filme, mas após ler sua resenha eu até posso assistir por mostrar uma casal em uma relação bem conturbada. Pela capa eu não iria assistir, sua resenha é que conquistou.

    Bjos

    http://historiasexistemparaseremcontadas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi Andréa!
    A proposta do filme parece mesmo desafiadora! O que vemos em todo filme "casalzinho" é a luta para ficarem juntos, apesar de 1000 coisas acontecerem para separa-los e um final feliz juntos.
    Nesse filme parece que a ideia do autor é justamente mostrar como a relação se desgasta com o passar dos anos. Já não temos a mesma paciência, não estamos mais cegos de paixão e a rotina do dia a dia é algo que desgasta qualquer ser humano.
    Quanto aos abusos que acontecem no filme, eu tenho reparado que as pessoas em geral têm aceitado muita coisa só para estar em um relacionamento, o que, eu concordo com você, acho perigoso e me assusta.
    Darei uma chance ao filme.
    Valeu pela indicação.
    Beijos!

    Karla Samira
    www.pacoteliterario.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Mesmo com essa coisa de fazer a gente abrir os olhos para muita coisa, não fiquei com vontade de ver. Dificilmente vejo um filme e costumo escolher algo mais fantasioso ou um super drama, daqueles de ficar seca de tanto chorar mesmo. Não ia achar nada legal acompanhar esses abusos verbais e físicos, ainda mais o filme dando a entender que são sem querer, então passo a dica.

    Beijo.

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  8. Oi, Andrea!
    Vez por outra também começo a procurar por alguma coisa para assistir aleatoriamente no Netflix, e por mais que prefira mais animações, rs, gosto de um romance ou outro para suspirar eventualmente - além do montante de livros que já leio do gênero, hehe. Passei por 6 Years e ainda cheguei a adicioná-lo à minha lista lá, até me interessando pela sinopse, mas vendo sua resenha agora, meio que vejo que não era bem o que eu estava esperando. Essa abordagem mais problemática e realista dos relacionamentos me deixa um pouco com um pé atrás com o enredo agora, realmente sou mais chegada aos 'água com açúcar', rs, mas se algum dia der vontade de mudar um pouco essa preferência, já estarei mais firme para ver o filme e quanto ao que esperar dele.
    Beijos!

    ♥ Sâmmy ♥
    ♥ SammySacional ♥

    ResponderExcluir
  9. Oi Adrea!

    Quem nunca ficou procurando algum filminho por horas na Netflix, né? Eu também adoro um romance, apesar de esses dias estar evitando filmes que me façam chorar ou me deixam melancólica. Mas enfim, não sabia de 6 Years, que dica ótima! Eu falo com você que até mesmo que não tem um relacionamento tão longo assim vai percebendo o desgaste com o passar do tempo. Deve ser pior ainda quando é o primeiro amor, imagina a insegurança desse casal? Achei bacana não abordarem a parte boa que todo mundo tá acostumado e todo mundo tá esperando. É bom mostrar a realidade. Vou adicionar esse filme na minha listinha!

    Beijo!
    http://www.roendolivros.com/

    ResponderExcluir

Espero que tenha curtido a postagem! Volte mais vezes :D